Coluna Política Pimenta no Reino 29-05-2018

Publicado em 29/05/2018 - 18:49 | Por Redação

Camaradagem entre PT e empresários explica por que é tão caro andar de ônibus no Acre

Grupo denominado ‘Acre em Movimento’ promete protestar hoje, no Terminal Urbano, contra o reajuste da passagem e o preço da gasolina

ARCHIBALDO ANTUNES, DA CONTILNET 

Comedores de sardinha

O professor Carlos Coelho, especialista em campanhas eleitores, usou de uma frase interessante ao falar do grupo que rodeia o senador Gladson Cameli (Progressistas) em sua corrida pelo Palácio Rio Branco. “Tem gente comendo sardinha e arrotando camarão”, pontuou ele.

Jogo de azar

Com a metáfora, Coelho quis dizer que a turma do senador acredita, por antecipação, que ele já venceu a eleição. Mas, como também observou o professor, não existe eleição ganha. É preciso vencê-la conquistando os eleitores.

Cadinho de literatura

Metido a literato, este colunista, autor do romance Amazônia dos Brabos (e que o leitor me perdoe pelo merchandising, mas o livro está à venda, em formato e-book, no site da Amazon), é inevitável lembrar o diálogo da protagonista da obra Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll, com um dos personagens que compõem a trama.

O eterno em um segundo

“Quanto tempo dura o eterno?”, pergunta Alice, ao que Coelho – não o professor, claro, mas o da ficção de Carroll – responde: “Às vezes apenas um segundo”.

Sapientes

Ambos os Coelhos têm razão. O primeiro porque o salto alto do staff de Gladson Cameli acaba por contaminá-lo com a sensação de que a campanha eleitoral já está definida em desfavor do seu principal adversário, o petista Marcus Alexandre. E o segundo – o da literatura – por mostrar que a eternidade é uma mera abstração, podendo caber num único segundo.

A gente explica

É que o período pré-eleitoral, bem como a campanha para o governo, não haverá de durar pela eternidade. Daí a importância de se aproveitar cada segundo do tempo que antecede o dia da votação.

Ponto de vista

Tem-se a impressão, pelo menos do meu ponto de vista, que o petista Marcus Alexandre está ciente da necessidade de correr contra o tempo. Já o senador Gladson parece contar com o tempo a seu favor. Em resumo, enquanto o candidato do PT corre, o progressista passeia. E isso pode fazer muita diferença quando as urnas forem abertas.

Sob nova direção

Márcia Bittar, esposa do pré-candidato ao Senado da República pelo MDB, Marcio Bittar, não é mais quem dá as cartas na executiva estadual do Solidariedade (SD). Ela entregou ontem (28) o comando da sigla ao presidente nacional, o deputado federal Paulinho da Força (SP).

Mandachuva

A nova presidente do SD no estado será, muito provavelmente, a ex-procuradora do Ministério Público do Acre Vanda Denir Milani Nogueira, pré-candidata a deputada federal.

Terra da boataria

Bastou que Márcia Bittar entregasse o cargo para que as más línguas começassem a espalhar que ela havia sido defenestrada do SD. Nada disso. Dona Márcia preferiu deixar de lado as obrigações partidárias para ajudar na campanha do marido ao Senado – como sempre fez.

Deferência 

O deputado federal Alan Rick (DEM) acaba de ganhar mais um destaque em decorrência de sua atuação na Câmara Federal. Dessa vez, a distinção partiu do embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley.

Gratidão

Em ofício enviado ao parlamentar do Democratas, Shelley agradece seu “o apoio e extrema dedicação ao Estado de Israel”. O embaixador também afirma que “São manifestações como as de Vossa Excelência que fazem com que meu país se sinta mais forte e seguro, buscando sempre construir uma paz duradoura para a região”.

Ideias que dão em nada

O vereador rio-branquense Eduardo Farias (PCdoB) sugere a criação de uma comissão independente para se discutir, à revelia do Conselho Tarifário do município, o reajuste de preço das passagens de ônibus.

A intenção foi ótima, mas…

A audiência pública, realizada na semana passada a pedido do vereador Roberto Duarte Junior (MDB), não deixou de ser uma iniciativa importante ante a suspeita de que a planilha de custos, apresentada pelos empresários do setor do transporte coletivo. foi inflacionada para justificar o reajuste

Alarde puro

A ideia de Farias, não obstante ser ele um sujeito honrado, não passa de mais uma pirotecnia na tentativa de minimizar o desgaste político decorrente do aumento da passagem de ônibus.

Dias atrás

A coluna já fez um apanhado sobre o tema, mostrando que o aumento da tarifa do transporte público em geral está ligado ao período eleitoral – a tendência é que o valor do bilhete suba sempre antes das eleições ou depois delas.

Benefício

Também falamos aqui sobre a isenção fiscal que o ex-prefeito petista Marcus Alexandre concedeu aos donos das empresas de ônibus, sob a condição de que eles renovassem as frotas.

Unha e carne

Campanhas eleitorais passadas já mostraram que os empresários do setor mantêm estreita relação com os companheiros. E que sempre obtiveram destes o aval necessário à tunga que costumam aplicar nos usuários.

Inacessível

Esta coluna foi site do Tribunal Regional Eleitoral do Acre para checar a prestação de contas dos candidatos majoritários do PT nas eleições passadas. E aproveita para fazer uma reclamação pública sobre a funcionalidade do portal. Nem mesmo o programa que se deve baixar para acessar os dados relativos aos gastos e receitas dos candidatos funciona. O que é simplesmente um absurdo!

Iniciativa inócua

Mas de volta à proposta do vereador Eduardo Farias, ela é inócua. Simples assim. Até porque o seu partido já apoiou, outrora – tendo como porta-voz a então deputada federal Perpétua Almeida –, a majoração do bilhete.

Memória de elefante

Em fevereiro de 2011 em debate no micro blog Twitter com o jornalista Francisco Costa, que condenava o aumento para R$ 2,40, Perpétua Almeida escreveu o seguinte: “rapaz, três anos sem reajuste, as empresas não aguentam, é fato. Agora, acho que a prefeitura deveria ter fatiado. Ficou pesado.”

Quadro da evolução do preço

Em 2011, tive acesso a um gráfico que mostra a evolução, em dólar, do preço da passagem entre 1982 (no governo do então prefeito Flaviano Melo) e janeiro de 2011, já no segundo mandato do petista Raimundo Angelim, hoje deputado federal. Enviado a mim pelo engenheiro e hoje policial federal Roberto Feres, o gráfico nos dá uma ótima noção da simbiose entre os petistas e os empresários do setor. Veja aí abaixo.

Opinião formada

Resta dizer, portanto, que o reajuste da passagem sempre contou com apoio dos companheiros e camaradas. E não será o Dr. Eduardo Farias que irá me convencer do contrário.

Mais manifestação

A propósito, recebi pelo aplicativo WhatsApp a informação de que o grupo denominado Acre em Movimento vai se unir, na praça em frente ao Terminal Urbano, aos caminhoneiros para “protestar contra o preço abusivo da passagem de ônibus e também contra o absurdo em que se encontra o [valor do] litro da gasolina”. O manifesto está marcado para começar às 17 horas de desta terça (29).

Veja também

Comentários

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.