Segundo pesquisa da Fecomércio/AC, quase 60% dos rio-branquenses devem realizar gastos no Dia das Crianças

Publicado em 10/10/2017 - 15:17 | Por Redação

Em 2016, esse número era de 78%, segundo a instituição

 

Ao menos 59% da população economicamente ativa de Rio Branco deve comemorar o Dia das Crianças. No ano passado, os dados eram de 78%, segundo informações da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC), por meio de pesquisa realizada pelo Instituto Fecomércio de Pesquisas Empresariais do Acre (Ifepac) entre os últimos dias 2 e 6 de outubro, junto a 248 pessoas.

 

O levantamento destaca 21% dos entrevistados, que admitem que irão ter gastos com “passeios” e mais 14% que devem destinar compras às doações para crianças mais carentes.

 

Em relação a presentes, 26% manifestam pretensão para roupas e 23%, calçados. Além disso, outros tencionam homenagear as crianças com aparelhos celulares (10%) e outros brinquedos como bola (9%) e bicicletas (6%). Com relação ao local de preferência compras, 46% afirmam optar pelo comércio do centro da cidade (no ano passado essa manifestação veio de 36% da população), enquanto outros 22% se interessam pelo shopping center local.

 

A pesquisa destaca também 7% da população, que deve comprar no mercado boliviano fronteiriço, enquanto outros 5% dizem comprar pela internet e mais 5%, do comércio informal. Ainda segundo o estudo, 39% afirmam que devem gastar até R$ 100; 22%, entre R$ 50 e R$ 100 (09 pontos percentuais abaixo dessa mesma faixa para o Dia das Crianças do ano passado) e outros 24%, entre R$ 100 a R$ 300. Apenas 32% tencionam gastos acima de R$ 300.

 

Modalidades de pagamento

 

Segundo o estudo, 65% da população pretende negociar o pagamento dos gastos para do Dia das Crianças na modalidade de “à vista” e 35%, em parcelas. Para o Dia das Crianças do ano passado, 41% da população expressavam interesses para pagamentos na modalidade “à vista” e 51%, na forma “parcelada”.

 

Dos que vão pagar à vista, 74% pretendem utilizar “dinheiro em espécie” para a efetivação (no ano passado, essa pretensão era de 46% da população). Já da parcela de 35% com preferência a pagamentos na forma “parcelada”, 86% devem utilizar o limite do “cartão de crédito” (no ano passado a pretensão era de 33% da população).

Veja também

Comentários