Coluna Política Pimenta no Reino 07-08-2017

Publicado em 07/08/2017 - 16:35 | Por Redação

Pimenta: “Insegurança no governo petista volta a colocar o Acre nas páginas policiais”

O governador Tião Viana só falta culpar agora o mordomo pelo clima de insegurança  

Tudo dominado

As facções continuam dando as ordens e, infelizmente, atingem os mais pobres. Essa é a tônica após os incêndios em ônibus nos bairros mais periféricos da capital. Talvez, por isso, as autoridades públicas insistam em dizer que “está tudo sob controle”, como destaca o secretário de segurança, Emylson Farias.

A culpa é do mordomo

O governador Tião Viana só falta culpar agora o mordomo pelo clima de insegurança pública instalado no Estado. Ele não tem a coragem de olhar para o próprio umbigo, fazer demissões importantes no sistema que, a muito tempo, já deu demonstrações de estar saturado.

Criminosos atearam fogo em ônibus /Foto: Reprodução

Incompetência

É mais fácil atacar os outros, achar culpados, do que fazer uma reflexão para dentro do seu governo. Isso aliás é típico do humor e, por que não dizer, do comportamento de Tião Viana. É preferível continuar arriscando a vida de milhares de acreanos do que cortar na própria carne. Gestão incompetente.

Organizados

Os ataques feitos pelas facções demonstram organização e poder de comunicação entre os líderes. Somente prender, prender ou isolar não resolve. É preciso o desenvolvimento de políticas públicas fortes e eficazes, a curto, médio e longo prazo. Mas, por enquanto, o que se vê é nada versos nada.

Pelas redes

Pelas redes sociais, mais uma campanha ‘Fora Emylson’ é deflagrada. Mas, dificilmente o governador Tião Viana vai ouvir o clamor da sociedade. E ainda vem o Vox Populi dizer que Tião Viana tem ibope em todo o Estado. Vai entender…

Final de semana foi tenso na Capital /Foto: Reprodução

Guarda Municipal

O prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre, será cobrado essa semana por não ter colocado em prática uma das principais promessas de sua campanha: a Guarda Municipal. Na opinião dos vereadores de oposição, uma vez implantada, a corporação estaria ajudando no combate ao crime organizado.

Abre aspas

“Acredito, piamente, na capacidade de cada membro da polícia mais honesta do país e sei que eles estão na ponta e também são vítimas desta irresponsabilidade praticada pelo Secretário de Segurança. Não acredito nesta cúpula irresponsável que administra a segurança do estado”, escreveu Frank Vidal.

Repercussão

A insegurança pública foi destaque do Bom Dia Brasil desta segunda-feira. Mas uma vez o governo de Tião Viana coloca o Acre nas capas policiais por tragédias. Os fatos envolvendo facções, matam sonhos de centenas de famílias e dos jovens acreanos.

Indústria

Segundo Adriano Ribeiro, presidente da Federação das Indústrias do Estado do Acre, somente o próximo governo, com capacidade de transferir investimentos de dentro do Estado, repassando para os empresários, será capaz de dar a grande transformação no setor industrial do Acre. Muito delicado e com cuidado para não atacar Tião Viana, na entrevista ao Bar do Vaz, Adriano, mesmo com a análise acima, chama o atual gestor como conclusivo do processo de industrialização iniciado na gestão de Jorge Viana.

Esqueceu

Adriano esqueceu de citar os números negativos da Construção Civil, que é a grande mola da economia local. Fez um breve comentário analisando que esse crescimento acabou no segundo mandato da ex-presidente Dilma Rousseff.

DNIT em foco

Com a chegada de agosto, o Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (DNIT) no Acre prepara um calendário para prestação de contas das obras de manutenção e restauração da BR-364.

Cronograma

Thiago Caetano, superintendente do DNIT no Acre, afirma que todos os serviços estão dentro do cronograma estabelecido com as empresas. Ele aposta no prolongamento do verão para avançar com as obras até o último trecho, entre Tarauacá e Cruzeiro do Sul.

No Amazonas

O novo governador do Amazonas só será conhecido no segundo turno das eleições, no dia 27 de agosto. O Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM) confirmou que continuam na disputa Amazonino Mendes, do PDT, que teve 38,92% dos votos, e Eduardo Braga, do PMDB, com 24,7% dos votos.

Alta abstenção

Houve 24,14% de abstenção, ou seja, quase 550 mil eleitores, dos mais de 2,3 milhões aptos a votar, não compareceram às urnas. Um resultado dentro do esperado pela Justiça Eleitoral, que estimou inicialmente uma abstenção de 25% na capital e 35% no interior. Os votos brancos correspondem a 3,54% e os nulos a 12,56%.

Perfil 1

Amazonino Mendes nasceu no Amazonas, é formado em Direito e iniciou sua vida política em 1983, quando foi eleito prefeito de Manaus. Foi eleito para o cargo mais duas vezes, em 1993 e em 2009. Por três vezes também foi governador do Amazonas. Em 1991 e em 1992 foi senador. O vice de Amazonino é o deputado estadual Bosco Saraiva, do PSDB.

Perfil 2

O senador Eduardo Braga nasceu em Belém, no Pará, é engenheiro e foi eleito vereador em 1983. Já foi deputado estadual e federal, governador do Amazonas em dois mandatos e vice-prefeito de Manaus. É senador desde 2011. O vice de Braga é Marcelo Ramos, do PR.

Veja também

Comentários